INSTITUTO OFICINA CERÂMICA FRANCISCO BRENNAND

APRESENTA NOVA GOVERNANÇA E CONCEITOS DO NOVO PROGRAMA

 

Conduzida por nomes reconhecidos do meio das artes visuais, reestruturação da instituição inclui novas lideranças e  exposições de artistas nacionais e internacionais, painéis críticos, oficinas, trabalhos comissionados e residências artísticas 

 

Após abrigar por quase cinco décadas o ateliê do artista e escritor Francisco Brennand, a antiga fábrica de cerâmica que leva o seu nome foi convertida oficialmente em um instituto cultural sem fins lucrativos em setembro de 2019. Além de celebrar o legado do pintor e escultor, com uma coleção permanente de aproximadamente três mil obras de seu acervo, o espaço, agora multidisciplinar, inicia em 2020 uma ampla programação de exposições, residências artísticas, workshops e uma plataforma crítica digital com seminários, podcasts, ensaios críticos e trabalhos fotográficos comissionados.

 

A transformação da Oficina em um instituto sem fins lucrativos era um desejo antigo de Brennand, que viria a falecer aos 92 anos em dezembro de 2019, somente três meses após a oficialização do novo formato do espaço. A liderança institucional foi assumida por Marianna Brennand, sobrinha-neta do artista, nomeada presidente do Instituto.

 

“Francisco sempre se preocupou com a preservação de sua obra, mas desejava  também que a Oficina pudesse sediar outros programas culturais tanto da cena artística pernambucana quanto brasileira”, recorda Marianna, uma das grandes conhecedoras e fomentadoras da obra do tio-avô, diretora do documentário “Franciso Brennand” (2012), idealizadora do livro “O Universo de Francisco Brennand” e responsável pela edição da compilação de memórias do artista, reunidos na caixa de quatro volumes intitulado “Diários de Francisco Brennand”.

 

O primeiro desafio de Marianna foi formar uma equipe inovadora e qualificada que possibilitasse repensar os eixos estruturantes da instituição e ampliar seu alcance, a começar por um profissional com experiência na gestão de instituições culturais que contribuísse na formatação da governança, na conceituação e na condução do projeto. O experiente executivo Lucas Pessôa – ex-diretor do MASP – Museu de Arte de São Paulo e integrante da administração responsável por recuperar o museu que corria risco de falência no início da década – abraçou de imediato a proposta e assumiu a Direção Geral do Instituto em novembro de 2019.

 

“A Oficina tem um caráter único de espaço de produção e difusão, museu e atelier. Inserida em uma área de proteção ambiental preservada há mais de um século pela família Brennand, a instituição reúne de forma integrada um pensamento de prática artística, pesquisa, natureza e ecossistema”, afirma Lucas. “Esse conjunto único no mundo será o ponto de partida para um programa curatorial e educativo que amplifique e potencialize esse legado, reconhecendo sua vocação pública como espaço de reflexão e fomento ao pensamento crítico, além de atuar como vetor de desenvolvimento da comunidade do entorno”, continua.

 

O segundo passo era buscar um nome para ficar à frente da direção artística do espaço. Com um vasto currículo curatorial e larga experiência institucional, Júlia Rebouças foi escolhida para a função. Ela assinou o 36º Panorama da Arte Brasileira, no MAM-SP, foi cocuradora da 32ª Bienal de São Paulo e integrou a equipe curatorial do Instituto Inhotim de 2007 a 2015, entre outros projetos relevantes. Além dela, a gestão artística contará ainda com três curadores adjuntos, cujos nomes serão anunciados em breve.

 

“Francisco Brennand nos deixou um legado artístico de grande importância, que inclui esculturas, pinturas, gravuras, desenhos e textos, mas também a Oficina, com sua cidadela, jardins, construções preservadas, espaços de convivência e a rica presença do Rio Capibaribe e da Mata da Várzea, constituindo um espaço institucional de feições absolutamente próprias.”, afirma Júlia. Nesse novo momento, os pilares conceituais que nortearão a proposta curatorial do Instituto são Natureza, Território e Cosmologias. “Esses são eixos que estão fortemente presentes na obra de Brennand e que têm a potência de se expandirem para agregar novas práticas artísticas em arte contemporânea, a partir de um pensamento que contempla distintos campos de conhecimento e saberes”, complementa a diretora artística da instituição.

 

O eixo Natureza parte do desafio de se construir pontes para a compreensão integrada entre natureza, cultura, arte e meio ambiente, discutindo o papel do ecossistema local para o entendimento da missão, identidade, comunicação e vocação institucional do espaço. O conceito Território busca ampliar as relações entre entorno e produção artística, com foco na geografia e história da região, com o compromisso social do desenvolvimento de uma comunidade mais sustentável, justa e integrada. Cosmologias, por sua vez, pretende abordar o aspecto fabulador e narrativo, por meio de diferentes cosmovisões que, na obra de Francisco Brennand, manifestam-se em evocações arquetípicas, mitologias, literatura, filosofia. Do ponto de vista institucional, propõe-se ainda uma revisão das políticas de acervo e do programa artístico da Oficina.

 

Com o objetivo de reconhecer sua vocação pública e torná-la sustentável, uma nova e moderna governança foi estabelecida com o apoio do escritório Pinheiro Neto Advogados, inspirada no formato de importantes instituições internacionais. Pensada para dar maior representatividade à sociedade na instituição, foi constituído um conselho composto por profissionais de diferentes gerações, regiões e trajetórias – de curadores a empresários, além de membros do Grupo Cornélio Brennand – mantenedor da Oficina – que irão colaborar com o desenvolvimento e pensamento da instituição.

 

O grupo é formado por Frances Reynolds, mecenas e fundadora do Instituto Inclusartiz; Lilia Schwarcz,  historiadora, antropóloga e global scholar da Universidade de Princeton; Keyna Eleison, diretora artística do MAM – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; Marcelo Araújo, diretor executivo do Instituto Moreira Salles; Beto Horst, fundador da Agra; Marco Bologna, sócio-fundador da Galápagos Capital e ex-CEO da TAM S.A.; Fabio Carvalho, acionista e presidente do Grupo Abril; Tiago Pessôa, Diretor Executivo do Morgan Stanley; Tereza Brennand de Oliveira, Carlos Eugênio Brennand e Helena Brennand de Souza Leão, do Grupo Cornélio Brennand, mantenedor da Oficina; Maria da Conceição Brennand e Maria Helena Brennand, filhas de Francisco Brennand e Flavio Goes, advogado e conselheiro das empresas do Grupo Cornélio Brennand.

 

Responsável pelo apoio que possibilitou a reorganização da instituição, o Grupo Cornélio Brennand compreendeu desde o início a importância de preservar o legado do artista e ampliar o programa da instituição para outras frentes. “O Grupo Cornélio Brennand compartilha dos mesmos valores promovidos pela Oficina ligados à educação, cultura e preservação ambiental. Esse novo projeto institucional articula a cultura como instrumento de cidadania, possibilitando à Oficina atuar como agente transformador para uma comunidade mais justa e sustentável.”, afirma Tereza Brennand, acionista do Grupo e Conselheira da Oficina.

Marianna Brennand ressalta ainda que a liderança feminina e a diversidade identitária são alguns dos valores fundamentais do projeto institucional da Oficina, algo que se reflete em sua programação, mas também na organização institucional.

 

“Nosso desejo é dar uma dimensão verdadeiramente pública à Oficina, e para isso é imprescindível a pluralidade de vozes. Prezamos pela igualdade de gênero e racial em todas as instâncias, desde o Conselho, formado majoritariamente por mulheres, até a equipe de colaboradores, o programa de exposições e a seleção dos artistas, palestrantes e residentes.”

 

Completando a nova equipe da Oficina está Ingrid Mello, responsável pela gestão executiva da instituição. Ingrid possui uma ampla experiência como gestora, sendo parte da equipe responsável pela implantação do MAR – Museu de Arte do Rio, atualmente um dos mais importantes museus do país, além atuar por dois anos no Theatro Municipal de São Paulo.

 

PLATAFORMA CRÍTICA

 

Com as operações suspensas por conta da pandemia da Covid-19, a Oficina, reaberta à visitação em setembro deste ano, vem retomando sua programação com uma série de iniciativas que pretende lançar, ao longo dos próximos meses, um olhar crítico renovado sobre a obra de Francisco Brennand, bem como dividir com o público os novos rumos do seu projeto institucional.

 

“Embora tenha interferido um pouco no nosso planejamento, a pandemia, por outro lado, permitiu um processo muito rico e profundo de escutas ativas e interlocuções sobre a conceituação e formas de ocupação do espaço”, conta Lucas.

 

De setembro a novembro desse ano foram realizadas conversas críticas com artistas e curadores, tornando o processo de pensamento em relação ao futuro da instituição mais aberto e permeável, inserindo outros agentes e interlocutores como parte do processo de reflexão sobre a instituição.

 

“As chaves norteadoras da Oficina foram objeto de um amplo debate que nos ajudou a conduzir esse novo projeto institucional. Estamos certos dos caminhos a serem percorridos”, completa.

 

Júlia Rebouças e Catarina Duncan assinam, respectivamente, a direção artística e curadoria da Plataforma Crítica. Costurada em torno dos três eixos curatoriais – Natureza, Território e Cosmologias –, a programação se inicia com seminários, podcasts, ensaios escritos e trabalhos comissionados, com a participação de importantes agentes da área cultural. Os nomes incluem artistas, fotógrafos, curadores, poetas, cientistas e pesquisadores, como José Roca, Fabiana Moraes, Ernesto Neto, Paulo Herkenhoff, Ana Lira, Tiganá Santana, Cristiana Tejo, Suely Rolnik, Camila Marambio, Ariana Nuala e Mauro Restiffe, entre outros. Os bate-papos e o material produzido na plataforma crítica poderão ser acessados nas mídias sociais e no site da Oficina (veja a programação no serviço abaixo).

 

EXPOSIÇÕES

 

Uma grande retrospectiva de Francisco Brennand, em homenagem ao cinquentenário da Oficina, em junho do ano que vem, irá marcar o início da programação de exposições do Instituto, junto com a publicação de um catálogo sobre a história do espaço, com curadoria de Paulo Herkenhoff.

 

Em setembro, o local planeja sediar uma mostra coletiva voltada a trabalhos de artistas pernambucanas e brasileiras de diferentes gerações, logo antes de receber, em dezembro, a icônica e monumental escultura “Spider” (Aranha), da francesa Louise Burgeois, com patrocínio do Itaú.

 

Ainda no segundo semestre está em estudo uma grande exposição inédita do artista carioca Ernesto Neto, que deve ocupar o galpão de 1200 m2 e pé direito de 14m, onde pela primeira vez trabalhará com cerâmica – dialogando com as origens históricas do local – deslocando sua produção das já conhecidas obras feitas com tecidos e outros materiais mais maleáveis.

 

RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS

 

Com o desejo de manter a prática artística como processo de reflexão e pesquisa que está na sua origem como museu e ateliê, a Oficina planeja lançar uma convocatória para residências artísticas no próximo ano. Dessa forma seus espaços poderão ser ocupados por artistas locais e de outras regiões que produziriam a partir das estruturas e espaços físicos existentes na Oficina como fornos cerâmicos, marcenaria e serralheria. As residências terão acompanhamento curatorial e crítico, desdobrando-se em programas públicos e podendo também transformarem-se em exposições na instituição.

 

“Queremos que a Oficina seja um espaço público que vá muito além de um museu a céu aberto, exercendo a dupla função de apoiar a produção artística local através de residências artísticas e exposições, ao mesmo tempo estimulá-la com a participação e interlocução de artistas e curadores de fora”, afirma Marianna Brennand. “Estamos muito orgulhosos do projeto. Acreditamos que esse será um projeto transformacional para as artes visuais de Pernambuco com alcance nacional”, completa.

 

 

PROGRAMAÇÃO DA PLATAFORMA CRÍTICA

 

*** todos os materiais poderão ser acessados nas mídias sociais e no site do Instituto, mesmo após a transmissão ao vivo, quando for o caso.

 

LIVES

 

CONVERSA SOBRE NATUREZA

Data: 17 de novembro às 19:30h

Duração: 1:30h

Mediação: Catarina Duncan

 

CONVERSA SOBRE TERRITÓRIO

Data: 24 de novembro às 19:30h

Duração: 1:30h

Guilherme Wisnik (São Paulo, 1972)

Mediação: Júlia Rebouças

 

CONVERSA SOBRE COSMOLOGIAS

Data:  01 de dezembro às 19:30h

Duração: 1:30h

Mediação: Júlia Rebouças

 

______________________________________________________________________________

 

PODCASTS

 

PODCAST SOBRE NATUREZA

“Arte é Natureza: conexões multi-especies”

Lançamento: Data a definir

Apresentação: Catarina Duncan

 

PODCAST SOBRE COSMOLOGIAS

“Mundo Vivo: Matéria e Espirito – aprendizado mútuo”

Lançamento: Data a definir

A definir

Abertura: Júlia Rebouças

 

PODCAST SOBRE TERRITÓRIO

“Aventura cerâmica: matéria moldável ”

Lançamento: Data a definir

Abertura: Júlia Rebouças

 

 

            ______________________________________________________________________________

 

TEXTOS

 

“Arte natureza: formação artística, prática e interculturalidade” 

 

“Corpo Natureza: sagrado, cosmos, terra e feitiço” 

 

“Percursos da Flecha: Trânsitos e apropriações de cosmologias na obra de Brennand” 

  • por Tiganá Santana (Salvador, 198X)

 

“Olhar aprofundado – aspectos cosmológicos na obra de Francisco Brennand”

  • por Rita Vênus (Brejo da Madre de Deus – PE, 1993)

 

“Trocas e tramas de Francisco Brennand –  gestos e projetos éticos”

 

“Presença de Francisco Brennand na paisagem cultural de Recife”

  • Por Chico Sá Barreto (Recife)

 

______________________________________________________________________________

 

            ENSAIOS FOTOGRAFICOS

 

ENSAIO FOTOGRÁFICO 1: NATUREZA

 

ENSAIO FOTOGRÁFICO 2: COSMOLOGIAS

 

ENSAIO FOTOGRÁFICO 3: TERRITÓRIO

 

______________________________________________________________________________

 

TEXTO por Paulo Herkenhoff (Cachoeiro de Itapemirim – ES, 1949)

cbe17fed-329c-4121-9228-c218d65b6f55 6fcbd18a-1471-4517-9c0f-9cf5948caf80